MIQCB

Rua São Raimundo, quadra 42, casa nº 09.
Bairro Jardim Eldorado, São Luís - MA

(98) 3268-3357 | 3221-4163

CEP: 65067-272

Intranet

Siga-nos:
  • Facebook - White Circle

Quem somos

O Movimento Interestadual das Quebradeiras de Coco Babaçu do Maranhão, Pará, Piauí e Tocantins emerge como uma organização

que representa os interesses sociais, políticos e econômicos deste grupo, dando a estas mulheres a possibilidade de serem vistas e

reconhecidas. Isto possibilita a chance de se desenvolverem, por meio do conhecimento e experiência que o trabalho do movimento

oferece, bem como a verem o mundo além das comunidades. A luta, antes relacionada com o direito à terra e ao babaçu, passou

a ser uma luta pela qualidade de vida da mulher no campo.

Em 1991, as quebradeiras, com a ajuda de organizações não governamentais, articulam o primeiro Encontro Interestadual das Quebradeiras de Coco Babaçu, em São Luís, do qual resultou na criação da Articulação das Mulheres Quebradeiras de Coco Babaçu. Em 1995, no II Encontro Interestadual, o nome é mudado para Movimento Interestadual das Quebradeiras de Coco Babaçu - MIQCB. Consequentemente foi possível a luta de proporções nacionais e depois o ganho das terras, a derrocada do machismo, e a ascensão dos direitos de agricultora, de mulher, e de cidadã na realidade dessas mulheres.

O MIQCB revelou a essas mulheres que a exclusão feminina

não existe, o que fez com que a vida das quebradeiras de

coco melhorasse muito e elas passassem a ser ativas

socialmente e economicamente. Tal força pode ser refletida

nas diferentes atividades proporcionadas pelo grupo, que

não apenas anseia tirar seu sustento com a venda do coco

e dos produtos produzidos a partir desta matéria prima, como

o azeite, farinha e sabonete. Pelo contrário, o MIQCB assume

principalmente um caráter ideológico, em que se busca a

educação e conscientização dessas trabalhadoras rurais.

O MIQCB promove discussões em grupos nas diferentes

comunidades de todos os estados, liderados pela assessoria

e diretoria de cada estado, que tiveram oportunidade de estudo

no ensino superior e acesso a ajuda de professores das

diferentes universidades federais, que conhecem e apoiam

o movimento.