MIQCB

Rua São Raimundo, quadra 42, casa nº 09.
Bairro Jardim Eldorado, São Luís - MA

(98) 3268-3357 | 3221-4163

CEP: 65067-272

Intranet

Siga-nos:
  • Facebook - White Circle

Nota de repúdio às ações de violência contra o povo Gamela - MIQCB

3-May-2017

 O Movimento Interestadual das Quebradeiras de Coco Babaçu – MIQCB condena as ações de violência ocorridas ao povo indígena da etnia Gamela.   Na tarde do último dia 30, homens com facões e armas de fogo atacaram a aldeia, localizada no Povoado Baías, município de Viana, na Baixada Maranhense. Um total de 13 índios foram gravemente feridos. Dois deles tiveram as mãos decepadas.

 

Desde a década de 1970, a etnia Gamela tem subsistido enquanto comunidade indigenista, vendo aos poucos, seus territórios e cultura se perderem pela invasão de suas terras, concedidas ainda no período colonial, mais especificamente em 1759. A área reclamada se expande pelos municípios de Viana, Matinha e Penalva. A etnia afirma que cerca de 14 mil hectares pertences à sua comunidade, foi ao longo das décadas, ocupada por fazendeiros, havendo títulos de propriedades registrados em cartório.  Uma tradição que se perde na medida em que as terras são tomadas e levam consigo cada sujeito que aos poucos,  esquece-se de si e não se reconhece mais como  integrante de uma comunidade e a identificação de uma terra onde essa identidade se constrói e constrói outras relações

 

Diversas solicitações foram feitas a Fundação Nacional do Índio (FUNAI) para a abertura do processo para demarcação do território. Mas nada evitou o surgimento de conflitos armados. Desde 2013 há tensão sobre a retomada do território. Em 2015, fazendas e sítios nos povoados de Taquaritiua e Centro do Antero, em Viana foram ocupados pelos Gamela em ato reivindicatório pelas terras.

 

Várias instituições destinam atenção à situação dos Gamelas. O Movimento Interestadual das Quebradeiras de Coco Babaçu – MIQCB, o Conselho Indigenista Missionário (CIMI), a Confederação Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB), a Secretaria de Direitos Humanos têm solicitado a FUNAI celeridade no processo de qualificação do reconhecimento das terras como território indígena.

 

O MIQCB, representado por diversas mulheres quebradeiras indígenas, faz parte do processo de luta pelo território Gamela e reafirma o apoio na defesa e reconhecimento dos seus territórios.

Compartilhe no Facebook
Compartilhe no Twitter
Please reload

Outras postagens

MIQCB coordena trabalhos de reconquista do território na Baixada Maran...

MIQCB lança abaixo assinado contra projeto de lei que incentiva a quei...

Comunidades, com o apoio do MIQCB, coordenam trabalhos de reconquista...

Pela vida das quebradeiras de coco - "Quebradeiras de coco babaçu...

1/3
Please reload