MIQCB

Rua São Raimundo, quadra 42, casa nº 09.
Bairro Jardim Eldorado, São Luís - MA

(98) 3268-3357 | 3221-4163

CEP: 65067-272

Intranet

Siga-nos:
  • Facebook - White Circle

MIQCB e o apoio à comunidade quilombola de Monte Alegre

22-Oct-2018

Passado pouco mais de 40 dias do falecimento de uma das maiores lideranças quilombolas e das quebradeiras de coco babaçu, dona Maria de Jesus Bringelo (Dona Dijé), o Movimento Interestadual das Quebradeiras de Coco Babaçu (MIQCB) organizou reunião com os representantes quilombolas de Monte Alegre, distante cerca de 240 km da capital maranhense. O objetivo foi reafirmar o apoio que o MIQCB sempre direcionou à comunidade no que tange à regularização fundiária de Monte Alegre e confortá-los mediante o sentimento de perda de dona Dijé.

 

Participaram da reunião, a coordenadora da regional da Baixada Maranhense, Rosenilde (Rosa) Gregório, o assessor jurídico, Rafael Silva e a assessora de Comunicação, Yndara Vasques. A emoção tomou conta de todos ao lembrarem da luta de dona Dijé pelo direito ao acesso livre território no quilombo Monte Alegre. Vale ressaltar que a comunidade lutou unida (e sofreu grande agressão com o Batismo de Fogo, quando as casas foram queimadas) na década de 70 para a regularização fundiária e o reconhecimento da área como quilombo. Atualmente, a comunidade se dividiu e parte dela não se reconhece mais como quilombolas, um direito que a lei assegura aos mesmos. Mas como falava dona Dijé, “o que dói é que hj estamos resistindo não contra o fazendeiro, mas são dos nossos que um dia lutamos juntos”.

 

Para a coordenadora do MIQCB, Rosa Gregório, o importante é a comunidade não esquecer de sua história e de sua luta. “Vivemos tempos muitos difíceis, a resistência virá dos movimentos sociais e das comunidades. Temos que seguir firmes tendo como inspiração a vivência e força daqueles que nos antecederam, como Dijé”, enfatizou. Para o assessor jurídico do MIQCB, Rafael Silva, o momento é delicado. “Estamos com uma grande possibilidade de tempos sombrios pela frente. Atacarão brutalmente a legislação que protege os direitos territoriais quilombolas. Mas precisamos ter clareza que eles jamais conseguirão apagar o que trazemos dentro de nós: a história de séculos de luta”, enfatizou. Atualmente, a Justiça aguarda o relatório antropológico sore a região que deve ser entregue nos próximos dias.

 

Conflitos

 

Enquanto a decisão da Justiça não sai, Monte Alegre vive um de seus maiores pesadelos. Além da morte de Dona Dijé, algumas pessoas da comunidade (não todas) incitam a violência e desrespeitam a decisão judicial de não cercarem a área e nem derrubarem área para plantio. Foi o que aconteceu na última semana de setembro, quando cerca de de 200 palmeiras de coco babaçu foram cortadas no quilombo Monte Alegre. A ação infringe a Lei Estadual nº 4.374, de 18.06.1986  que proíbe a  derrubada de palmeiras de babaçu, planta nativa, e a Lei Municipal nº 319, de 14.09.2001 de São Luiz Gonzaga, que proíbe derrubada de palmeiras de babaçu e garante livre acesso e uso comum às quebradeiras de coco babaçu.

 

Monte Alegre está entre os casos de violência registrado no Caderno de Conflitos da CPT. As tentativas de assassinatos no Maranhão subiram 63% e ameaças de morte 13%. São várias pessoas ameaçadas de morte no quilombo. O Maranhão concentra mais da metade das ameaças de morte do país (116 do total de 226) e tentativas de assassinato também (65 de 120). Desse total, seis são quebradeiras de coco babaçu como Dona Dijé. Desde 2009, o Maranhão concentra o maior número de conflitos no campo do Brasil.

 

 

 

 

 

 

 

Compartilhe no Facebook
Compartilhe no Twitter
Please reload

Outras postagens

MIQCB coordena trabalhos de reconquista do território na Baixada Maran...

MIQCB lança abaixo assinado contra projeto de lei que incentiva a quei...

Comunidades, com o apoio do MIQCB, coordenam trabalhos de reconquista...

Pela vida das quebradeiras de coco - "Quebradeiras de coco babaçu...

1/3
Please reload