MIQCB

Rua São Raimundo, quadra 42, casa nº 09.
Bairro Jardim Eldorado, São Luís - MA

(98) 3268-3357 | 3221-4163

CEP: 65067-272

Intranet

Siga-nos:
  • Facebook - White Circle

“As mulheres nunca deixaram de resistir” foi a conclusão de quando a conversa rola entre quem entende do assunto

15-Oct-2019

 

Uma noite agradável de fortalecimento da luta das mulheres. De ambos os lados duas grandes ativistas feministas, a experiente quebradeira de coco babaçu, Rosa Gregório, e a pesquisadora e ativista feminista, Silvia Federici. Ambas com suas experiências próprias e de grande contribuição para a resistência e consolidação do feminismo. Elas estiveram juntas em uma mesa de debates na última semana para trocar ideias junto aos participantes da atividade. A organização foi do Fórum Maranhense de Mulheres com o apoio do Movimento Interestadual das Quebradeiras de Coco Babaçu.

 

Os estudos de Silvia Federici sobre o passado são frequentemente interrompidos por uma pergunta insidiosa. Por que, apesar dos avanços, os feminicídios parecem crescer no mundo? Parte das respostas está no recém-lançado livro Mulheres e Caça às Bruxas, motivo da visita da pensadora italiana a São Luís. A obra retoma os temas de seu ensaio mais famoso, Calibã e a Bruxa, no qual defende que a perseguição se relaciona com as raízes do capitalismo e com a atual violência contra as mulheres.  A caça aos pobres, a conquista da América Latina, a escravidão. Tudo isso foi historicamente reconhecido como processo fundamental da construção da sociedade capitalista.

 

Para a quebradeira de coco babaçu e líder reconhecida nacionalmente pela resistência e pela luta ao acesso livre ao território, Rosa Gregório, a violência enfrentada hoje pelas mulheres da cultura da quebra do coco passa pela expansão do capital. “As terras de uso coletivo estão cada vez mais ameaçadas pelo agronegócio, pela monocultura e os povos e comunidades tradicionais que dali usufruem o bem viver também estão ameaçados”, ressaltou. “O importante é continuarmos a luta, o fortalecimento da mulher nesse contexto é essencial para a resistência e seguirmos em busca dos nossos direitos”, complementou.

 

A caça às bruxas foi, em linhas gerais, um grande ataque à posição social feminina. “Hoje não nos queimam, mas nos matam, nos esquartejam”, disse Silvia Federici. As mulheres estão no centro dos ataques, institucionais e individuais. “É preciso começar a construir, de baixo, outra sociedade. Não seremos capazes de resistir a este ataque sem uma luta que seja também construtora”, disse Silvia. Para Rosa, essencial é a união e o fortalecimento da mulhar”. O feminismo não te põe como sujeito abstrato. E isso encoraja, torna as mulheres parte de algo maior que elas mesmas, permite superar medos e misérias individuais. “Não digo que os homens não possam compreender isso, mas acho que as mulheres entendem melhor”, finalizou Silvia.

 

 

 

Compartilhe no Facebook
Compartilhe no Twitter
Please reload

Outras postagens

MIQCB coordena trabalhos de reconquista do território na Baixada Maran...

MIQCB lança abaixo assinado contra projeto de lei que incentiva a quei...

Comunidades, com o apoio do MIQCB, coordenam trabalhos de reconquista...

Pela vida das quebradeiras de coco - "Quebradeiras de coco babaçu...

1/3
Please reload