MIQCB

Rua São Raimundo, quadra 42, casa nº 09.
Bairro Jardim Eldorado, São Luís - MA

(98) 3268-3357 | 3221-4163

CEP: 65067-272

Intranet

Siga-nos:
  • Facebook - White Circle

A luta das quebradeiras de coco é destaque no Mongabay, agência de notícias internacional sobre conservação ambiental

13-Nov-2019

Texto traduzido, para acessar na integra clique aqui.

 

Os jornalistas da Mongabay, Sarah Sax e Maurício Angelo, viajaram recentemente ao cerrado brasileiro para relatar os impactos do agronegócio em expansão no ambiente da savana e nas pessoas tradicionais que vivem lá. Esta é a primeira história de uma série que conta o que encontraram lá. As fotos foram registradas pela jornalista Yndara Vasques, da Assessoria de Comunicação do MIQCB.

 

 

Quebradeiras de coco babaçu do Brasil sentem o aperto do desenvolvimento do Cerrado

 

Cerca de 400.000 mulheres, conhecidas como "quebradeiras de coco" ou "quebradeiras de coco babaçu" - junto com suas famílias - vivem na zona de transição entre o bioma Cerrado e o bioma Amazônia.

 

Por: SARAH SAX E MAURÍCIO ANGELO EM 12 DE NOVEMBRO DE 2019 Série Mongabay: Conservação da Amazônia, Cerrado, Florestas Globais

Essas quebradeiras de coco contam com a palmeira de babaçu e sua colheita de nozes ricas em óleo para seu sustento tradicional e sustentável.

 

Muitas dessas mulheres vivem na periferia da região de Matopiba, apelidada por algumas como “a última fronteira agrícola do mundo”, que registrou um aumento de quase 300% na expansão da soja nas últimas duas décadas, a maioria delas em detrimento dos nativos. florestas e vegetação.

 

 

Nos últimos anos, o agronegócio industrial agiu rapidamente, privatizando e cercando os bens comuns, convertendo os palmeirais de babaçu em plantações de soja e eucalipto e fazendas de gado, e dificultando o acesso dos que quebram coco às palmeiras das quais derivam sua vida, e sua identidade social e cultural.

 

Além disso, como as mulheres dizem que foram cada vez mais expostas a ameaças, intimidação e violência física e sexual por agricultores e outros trabalhadores do agronegócio. Mas os quebradores de coco estão selecionados para defender seus palmeirais a qualquer custo e resistência ao cerco de bens comuns.

 

 

Todo mês de setembro, há meio século, Maria Antônia Trindade Mendes inicia a safra de babaçu da mesma maneira simples.

 

Ela amarra uma bolsa confeccionada com folhas de palmeira de babaçu em volta da cintura e sai com um grupo de mulheres de Quilombo São Caetano de Matinha (um assentamento brasileiro composto por 200 descendentes de escravos fugitivos), aos palmeirais que cercam sua comunidade. Lá, onde a borda norte da savana do Cerrado se funde com a floresta amazônica, as mulheres recolhem cestas cheias de babaçu - pequenas oblongas marrons e parecidas com cocos.

 

 

Mais tarde, Trindade Mendes pega cada noz do tamanho de um punho que ela colhe e, com a graça de alguém que repetiu o mesmo movimento milhares de vezes ao longo de cinco décadas, abre uma fenda para extrair meia dúzia de núcleos. Ela vende para uma cooperativa que separa o óleo para uso em produtos de culinária ou de beleza. A colheita do babaçu dura seis meses, e o dinheiro ganho deve sustentar sua família por um ano inteiro.

 

Mas em agosto, Trindade Mendes não estava se preparando para a safra de babaçu. Em vez disso, ela esteve em Brasília participando pela primeira vez na Marcha das Margaridas, a maior manifestação da América Latina organizada por trabalhadoras rurais que acontece a cada 3-4 anos. Lá, em meio à poeira, aos gritos e clamor, os chapéus únicos das “quebradeiras de coco” podiam ser vistos entrando e saindo da sala de exposições dos vendedores e de e para o acampamento temporário que abrigava as cerca de 100.000 mulheres presentes de todo o Brasil.

 

Trindade Mendes foi às ruas este ano para protestar contra ameaças a si mesmas, seu sustento e seu modo de vida tradicional: especialmente o aumento da violência direcionada as quebradeiras de coco e a contínua privatização da terra comum em que os bosques de babaçu crescem.

 

“Antes de vivermos livres, saíamos à noite e durante o dia. Não tínhamos medo ”, diz ela. “Agora, eles estão tirando tudo. As únicas coisas que têm direitos são gado e agronegócio.

 

"Sofremos e lutamos pela nossa sobrevivência"

As palmeiras de babaçu crescem naturalmente ao longo do arco ecotônico na junção do bioma Amazônia-Cerrado, cobrindo mais de 25 milhões de hectares (96.526 milhas quadradas), principalmente nos estados do norte do Brasil do Piauí, Maranhão, Tocantins e Pará. Conhecidas como quebradeiras de coco babaçu, ou quebradoras de coco, mulheres como Trindade Mendes dependem das palmeiras de babaçu para seus meios de subsistência tradicionais e sua identidade - e o fazem há gerações.

 

Enquanto algumas palmeiras crescem e são colhidas em terras pertencentes a pequenos produtores agrícolas, a maioria floresce em terras comuns mantidas pelo governo brasileiro - e cada vez mais reivindicadas por proprietários privados - com as nozes coletadas por mulheres sem terra entre setembro e fevereiro.

 

As quebradeiras são reconhecidas nacionalmente como um dos “povos e comunidades tradicionais” do Brasil, uma designação legalmente reconhecida que se aplica a grupos com formas distintas de organização social, cujo uso sustentável tradicional dos recursos naturais e da terra é uma condição para seus aspectos culturais, sociais, religiosos, existência ancestral e econômica.

 

No entanto, em um país onde a agricultura representa quase um quarto do PIB e a concentração de terras entre as elites rurais está em um nível histórico, as reivindicações do agronegócio feitas aos bens comuns estão cada vez mais em conflito com os usos de longa data das comunidades tradicionais.

 

Um quebra-coco veste um chapéu exclusivo feito de palmeira

 

A expansão explosiva do agronegócio industrial, plantando culturas para exportação internacional, não apenas reduziu a quantidade de babuçu cultivada ao longo do ecótono Amazônia-Cerrado, mas também cercou terras onde as palmeiras ainda prosperam, restringindo o acesso aos 400.000 quebradeiras de coco, reduzindo sua e ameaçando seu sustento tradicional em uma das regiões mais pobres do Brasil.

 

Do jeito que as coisas estão indo: "Em menos de dez anos, não teremos mais babaçu para remover a fruta e garantir nossa sobrevivência", afirma Dona Cledeneuza Maria Bizerra Oliveira, coordenadora regional do Movimento Interestadual dos Quebradores de Coco de Babaçu, ou o MIQCB como abreviado em português.

 

O desmatamento e o cerco dos bens comuns não são as únicas ameaças crescentes; as mulheres também relatam aumento da intimidação física, agressão sexual, poluição por pesticidas e até eletrocussão.

 

"Sofremos e lutamos pela nossa sobrevivência", disse à Mongabay Maria dos Santos, uma quebradeira de coco do Maranhão, 67 anos. Há cercas elétricas no campo e na floresta. Às vezes, para recolher o coco, temos que colocar um chapéu sobre nossas cabeças, rastejar no chão, passar por baixo do arame e voltar pela cerca. É uma luta árdua e muito grande que os quebradores enfrentam contra os agricultores. ”

 

Várias mulheres foram mortas ou desativadas por cercas elétricas instaladas pelo agronegócio para impedir que as quebradeiras de coco entrem em terras outrora comuns, de acordo com reportagens de jornais e testemunhos de mulheres entrevistadas por Mongabay.

 

Em resposta às investigações do Mongabay, o governo do estado reconheceu que “o Maranhão é um estado de grandes proporções territoriais e historicamente marcado por conflitos de terra”. No entanto, “dentro de sua competência constitucional, o [Maranhão] procurou proteger as comunidades tradicionais existentes no estado. com o desenvolvimento de políticas na área de prevenção e combate a conflitos, valorização da produção rural da agricultura familiar, preservação do conhecimento popular e promoção da igualdade racial. ”

 

De acordo com o governo do Maranhão, existem políticas e iniciativas para enfrentar conflitos, incluindo a Comissão Estadual de Prevenção da Violência no Campo e na Cidade (COECV), a Tabela Quilombola para Questões Fundiárias e Territoriais do Instituto de Colonização e Terras do Maranhão (Iterma), subdivisão policial especializada em crimes raciais, crimes de intolerância e conflitos agrários. O Maranhão também lançou a “Operação Baixada Livre”, que inspeciona e remove cercas elétricas ilegais dentro da Área de Proteção Ambiental da Baixada Maranhense (APA) - cobrindo 1.775.035 hectares (4.386.208 acres) em 32 municípios da parte norte do estado.

 

A Federação da Agricultura e Pecuária do Maranhão, FAEMA, que representa agricultores e produtores rurais e é membro da Confederação Brasileira de Agricultura e Pecuária (CNA), não respondeu a comentários.

 

Conflitos se multiplicam em Matopiba

Enquanto a atenção do público há muito se concentra no desmatamento da Amazônia causado pela invasão da fronteira agrícola do Brasil, pouca atenção foi prestada à perda impressionante de vegetação nativa no bioma Cerrado, que avançou a uma taxa muito mais alta à medida que sua biodiversidade única foi reduzida, queimadas e lavradas para dar lugar a soja, milho, eucalipto, gado e outros produtos agrícolas. Entre 2000 e 2014, o Cerrado perdeu 2,5 vezes mais vegetação nativa que a Amazônia. E, nos últimos anos, a taxa de perda de vegetação nativa no Cerrado foi até 5 vezes maior que na Amazônia. Mais da metade dos 200 milhões de hectares do bioma Cerrado já se foram.

 

E enquanto os meios de subsistência dos quebradores de coco estão sob ameaça de invasão agrícola comum há décadas, o aperto nos últimos anos foi sentido mais severamente em grande parte devido aos esforços do governo para desenvolver a parte norte da savana, agora conhecida como "Matopiba". Esse acrônimo era cunhado pelo agronegócio e pelo governo, utilizando as duas primeiras cartas para Maranhão, Tocantins, Piauí e Bahia, afirma que também contém alguns dos últimos grandes remanescentes intactos da savana tropical mais biodiversa do mundo, mas uma região que inclui poucos parques para proteger essa diversidade. A expansão da soja em Matopiba foi maior do que em qualquer outra parte do Cerrado nas últimas décadas, aumentando em 253% entre 2000 e 2014.

 

É na fronteira noroeste de Matopiba que se localiza a maioria dos estandes de Babaçu, estimados 18 milhões de hectares (69.5000 milhas quadradas), segundo Alfredo Wagner, antropólogo da Universidade Estadual do Amazonas.

 

Os defensores dos quebradores de coco observam que muita destruição do babaçu pelo agronegócio e a negação do acesso às terras comuns do Cerrado são ilegais. “Por causa da privatização da terra, as mulheres estão sendo impedidas de acessar terras às quais têm constitucionalmente o direito de acessar”, disse à Globo Rural Anny Linhares, coordenadora de terras tradicionais do ITERMA, um instituto estadual do Maranhão responsável pela titulação de terras.

 

Como as barracas de babaçu podem sobreviver a uma grande variedade de distúrbios, como o fogo, elas podem ser encontradas crescendo em barracas monoespecíficas ou puras, dominando a paisagem. Historicamente, eles foram integrados pelos agricultores aos sistemas de pastagens ou agrossilvicultura, mas o início da agricultura industrial mecanizada corroeu essa prática.

 

A região de Matopiba, referida pelo governo brasileiro como a "última fronteira agrícola do mundo", agora produz 10% das culturas brasileiras, uma estatística que deve subir se o governo conseguir o que quer. Um decreto presidencial federal em maio de 2015 oficializou o Plano de Desenvolvimento Agrícola de Matopiba (MADP); é uma ideia de Kátia Abreu, ex-presidente da Confederação Brasileira de Agricultura e Pecuária (CNA), que era governadora do Tocantins até 2014, quando se tornou ministra federal da Agricultura. O plano foi criado para orientar projetos e ações federais na região, com foco específico no desenvolvimento agrícola.

 

No entanto, o MADP tem sido fortemente criticado por não atender aos requisitos de acordos globais, como consultas prévias ao abrigo do Artigo 169 da OIT da Organização Internacional do Trabalho, e por não incluir em seu órgão de governança nenhuma representação ambiental ou social dos diversos grupos tradicionais do Cerrado, incluindo os quebradores de coco.

 

Em novembro de 2015, um grupo de 40 organizações da sociedade civil, incluindo o MIQCB, que representa uma grande porcentagem de quebradeiras de coco, escreveu uma carta aberta à Sociedade Brasileira e à Presidência, argumentando que o plano de desenvolvimento agrícola de Matopiba “promoverá uma destruição ainda maior da vida e exclusão do povo do Cerrado, reforçando o crescimento do êxodo rural, o aumento da pobreza e a invisibilidade das populações existentes no território. ”

 

O Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa) respondeu que os rompedores de babaçu fazem parte do Programa Bioeconomia Brasil - Sociobiodiversidade, que promove a geração de renda e a melhoria da qualidade de vida por meio de seus esforços em bioeconomia. “No caso específico do babaçu, uma parceria com a Fundação Osvaldo Cruz (Fiocruz) permite a inserção de povos e comunidades tradicionais nas cadeias de valor do óleo de babaçu e produtos medicinais e fitoterápicos. São realizadas ações de mapeamento de oportunidades, além de treinamento dos agricultores nos processos de produção. ”No entanto, o ministério acrescentou que“ É importante observar que não cabe ao Mapa supervisionar as questões trabalhistas e de segurança mencionadas ”.

 

Suzano: um estudo de caso

Não é apenas soja e gado que devoram o bioma Cerrado; as plantações de árvores, principalmente o eucalipto, também são uma colheita significativa em conflito com as comunidades tradicionais.

 

Uma das lutas mais divulgadas entre os povos tradicionais e o agronegócio em Matopiba envolve a fábrica de papel e celulose Suzano em Imperatriz, a segunda maior cidade do Maranhão. A fábrica foi inaugurada em 2014 e tem uma capacidade de produção anual de 1,65 milhão de toneladas de celulose e 60.000 toneladas de papel higiênico. Essa demanda levou à rápida conversão da vegetação nativa em plantações de eucalipto na área circundante.

 

“Suzano, com seus plantios, devora o babaçu. Plantar essa árvore de eucalipto, que não é sustentável para nada ”, diz Maria do Socorro Teixeira Lima, criada para preservar os estandes de babaçu usados ​​pelas comunidades tradicionais:“ A palmeira é sustentável , como é a natureza que a criou e como é nosso próprio trabalho. ”

 

Segundo quebradeiras Rosalva Gomes, quando a fábrica de papel foi construída, muitos quebradores de coco perderam não apenas o acesso a grandes estandes de babaçu, mas também foram impactados pelo aumento das taxas de violência sexual devido ao afluxo de trabalhadores do agronegócio, na sua maioria homens.

 

A Suzano nega essas alegações e, em um e-mail para a Mongabay, respondeu que "Tais alegações são infundadas e não correspondem às práticas adotadas pela Suzano". Além disso, a empresa "valoriza sua estrita conformidade com a legislação vigente, que garante aos quebradeiras de coco e seus famílias o direito de livre acesso e uso comunitário do babaçu ”.

 

De acordo com uma investigação da Mongabay publicada no ano passado, as plantações de eucalipto no Brasil são principalmente de propriedade ou vendem suas árvores por contrato para a Suzano Pulp & Paper, uma megaempresa. A empresa adquiriu recentemente a Fibria, fabricante brasileira de celulose de eucalipto, para se tornar o maior produtor mundial de celulose de eucalipto, supervisionando uma área de plantações de eucalipto do tamanho do estado americano de Nova Jersey.

 

E o eucalipto brasileiro só deve crescer. Sob o Acordo Climático de Paris, o governo prometeu 12 milhões de hectares (46.332 milhas quadradas) em reflorestamento. No entanto, um novo artigo publicado na Nature mostra que grande parte desse rebrotamento florestal não virá como floresta natural, mas será realizada por meio de novas plantações, incluindo eucalipto, representando 82% da meta de reflorestamento do Brasil.

 

Um grande comprador de celulose brasileira é a Kimberly-Clark, que fornece significativos eucaliptos no Brasil da Fibria e Suzano para fazer toalhas de papel e tecido com nomes de marcas que incluem Scott, Cottonelle, Kleenex e Andrex. O Banco Nacional de Investimento (BNDES), um dos maiores bancos de desenvolvimento do mundo, possui participações significativas tanto na Suzano quanto na Fibria - influência que coloca os quebradores de coco em grande desvantagem.

 

A Kimberly-Clark não respondeu a um pedido de comentário.

 

 

"Ela é a mãe de todos"

O eucalipto, principalmente nativo da Austrália, é uma planta com sede, sugando grandes quantidades de água dos solos e dos aquíferos, devolvendo enormes lucros à exportação, mas pouco mais em troca. Caminhe por uma plantação de eucalipto no Brasil e você notará um silêncio peculiar - a falta de água e de biodversidade, juntamente com as folhas de eucalipto que são tóxicas para muitos animais, resulta em poucos insetos, pássaros ou plantas endêmicas que vivem entre as árvores exóticas.

 

O número de usos de eucalipto exótico - feito principalmente em papel e tecido para banheiro - contrasta pouco com os muitos usos para o babaçu nativo pelas comunidades tradicionais. A palma média começa a dar frutos aos 15 a 19 anos e não para de produzir até os cinquenta anos. É "como uma mulher", explica o quebra-coco dos Santos. “Pegamos a noz, fazemos o óleo e o leite para o café da manhã dos filhos e netos, e a concha produz carvão. Da casca, fazemos farinha do mesocarpo [a parte carnuda da fruta]. Tudo isso é [fornecido pelo] coco babaçu. ”

 

Mais do que isso, o babaçu é emblemático da luta das mulheres rurais tradicionais para manter sua identidade, modo de vida tradicional, meios de subsistência e o próprio ambiente - com uma ênfase vital em seus papéis como mulheres: “A palmeira não é apenas a mãe dos disjuntores, é a mãe do povo brasileiro ”, declara Lima, que quebra nozes de babaçu desde criança. “O último ar que respiramos é das folhas dela. Ela é mãe de todos, guardiã da floresta!

 

Mulheres rurais unidas

Hoje, as quebradeiras são protegidas federalmente pelo Decreto 6.040 / 2007 - a lei que garante a proteção de muitas comunidades e povos tradicionais do Brasil, incluindo quilombolas, seringueiros da Amazônia e comunidades pesqueiras de pequena escala. E, como outros grupos agroextrativistas tradicionais, os quebradores de coco construíram sua identidade social e política em torno de seu comércio.

 

“Lutamos para conservar [as árvores de babaçu] contra os agricultores que querem tomar a terra”, explica dos Santos, “sem terra não temos palmeira. E sem a palma da mão, não podemos viver. ”A maioria dos quebradores de coco permanece organizada em torno do MIQCB, fundado em 1991. Essa organização rapidamente se tornou uma voz para as mulheres rurais, numa época em que elas nem sequer tinham o direito de votar em sindicatos ou discutir demandas trabalhistas específicas para as mulheres.

 

Um dos maiores sucessos do movimento ocorreu com o estabelecimento de uma “Lei do Babuçu Livre” municipal, implementada pela primeira vez no Lago do Junco, no Maranhão, em 1997. Nos municípios onde a Lei do Babassu Livre é mantida, as mulheres rurais podem entrar em fazendas privadas sem negociação , e os agricultores são proibidos de cortar e queimar ou usar pesticidas nas palmas das mãos.

 

Mas o sucesso das proteções dessa iniciativa permanece limitado. Dos 217 municípios do Maranhão, apenas 15 têm atualmente leis que dão acesso gratuito a quebradores de coco. O objetivo do MIQCB é tornar a "lei do babaçu livre" nacional. Mas enquanto um projeto nesse sentido foi introduzido na Câmara dos Deputados em 2007, a legislação ainda não foi aprovada - uma perspectiva menos provável sob o governo Jair Bolsonaro e a bancada ruralista, lobby do agronegócio que domina o congresso.

 

"O presidente [Bolsonaro] vem e diz que não fará nada [por nós], apenas atua no agronegócio", diz Trindade Mendes. “Antes, a terra era comum; vivemos e trabalhamos livremente e fizemos o que queríamos. Agora não. Agora estamos enjaulados em mais do que gado.

 

Hoje, os quebradores de coco são algo semelhante a um estado de granizo, com o MIQCB atualmente monitorando mais de

 

30 conflitos relacionados ao acesso ao babaçu. E é provável que essas batalhas se multipliquem, já que o investimento global em Matopiba se concentra quase exclusivamente em culturas comerciais para exportação. Mas essa dura realidade apenas endureceu a determinação dos quebradores de coco em uma luta por seus meios de subsistência, identidade e direitos constitucionais.

 

"Eu digo às pessoas mais jovens: 'que direitos você terá?' Eles estão tirando tudo. Não há quase nada, apenas a luta ”, diz Trindade Mendes. Mas para ela e outras quebradeiras de coco babaçu, desistir não é uma opção. "Nascemos quebrando coco e morreremos quebrando coco!"

 

 

Compartilhe no Facebook
Compartilhe no Twitter
Please reload

Outras postagens

MIQCB coordena trabalhos de reconquista do território na Baixada Maran...

MIQCB lança abaixo assinado contra projeto de lei que incentiva a quei...

Comunidades, com o apoio do MIQCB, coordenam trabalhos de reconquista...

Pela vida das quebradeiras de coco - "Quebradeiras de coco babaçu...

1/3
Please reload