Nota de Repúdio à Ameaça de Remoção das Comunidades Quilombolas de Alcântara

31-Mar-2020

 

Na última quinta-feira (27), no meio da crise com a pandemia do coronavírus, foi publicado no Diário Oficial uma resolução do governo Bolsonaro anunciando a remoção e reassentamento de famílias quilombolas localizadas na região de Alcântara, no Maranhão. A medida poderá atingir 800 famílias de 30 comunidades quilombolas. A região de Alcântara possui um longo histórico de violações e deslocamentos compulsórios, que afetaram todo uma cadeia dos modos de vida das comunidades. Atualmente, diante de convênio assinado pelo Presidente Jair Bolsonaro e o governo dos EUA, a área ocupada pelas famílias será utilizada para expandir o Centro de Lançamento de Alcântara (CLA). Ainda não há data para as remoções. 

 

Mais de 130 organizações e movimentos sociais levaram a público Nota de Repúdio à Ameaça de Remoção das Comunidades Quilombolas de Alcântara, conforme segue abaixo:

 

O Sindicato dos Trabalhadores Agricultores e Agricultoras Familiares de Alcântara (STTR), o Sindicato dos Trabalhadores e Trabalhadoras na Agricultura Familiar do Município de Alcântara (SINTRAF), a Associação do Território Quilombola de Alcântara (ATEQUILA), o Movimento de Mulheres Trabalhadoras de Alcântara e o Movimento dos Atingidos pela Base Espacial (MABE) e as instituições abaixo subscritas, cientes da Resolução nº 11 de 20 de março de 2020 do Gabinete de Segurança Institucional a Presidência da República, publicada no Diário Oficial da União em 27.03.2020, vêm a público repudiar veementemente o teor da referida Resolução, que busca estabelecer, ao arrepio de leis nacionais e internacionais, as diretrizes para a expulsão das comunidades quilombolas de Alcântara de seus territórios.

 

Consideramos a medida arbitrária e totalmente ilegal, uma vez que afronta diversos dispositivos legais de proteção dos direitos das comunidades remanescentes de quilombo, bem como, tratados e convenções internacionais referidos aos direitos destas comunidades. Denunciamos ao povo brasileiro que o governo Bolsonaro, submisso aos interesses do governo dos Estados Unidos, além de entregar nossa base de lançamentos, medida que inviabiliza o desenvolvimento de nosso conhecimento e tecnologia aeroespacial, também entrega de bandeja o povo quilombola que vive em seus territórios a centenas de anos. Exigimos, em um só tempo, o respeito à soberania do povo quilombola sobre seus territórios e soberania do povo brasileiro sobre a base de Alcântara.

Por fim, não admitimos quaisquer possibilidades de deslocamentos e reafirmamos nossa irrestrita e ampla defesa das comunidades quilombolas de Alcântara no direito de permanecer no seu território tradicional na sua inteireza e plenitude. Acionaremos todos os meios e medidas possíveis para resguardá-las.

Os governos passam, mas o povo fica e será soberano sobre seu destino!

 

 

Sindicato dos Trabalhadores Agricultores e Agricultoras Familiares de Alcântara (STTR).

Sindicato dos Trabalhadores e Trabalhadoras na Agricultura Familiar do Município de Alcântara (SINTRAF).

Associação do Território Quilombola de Alcântara (ATEQUILA).

Movimento de Mulheres Trabalhadoras de Alcântara e o Movimento dos Atingidos pela Base Espacial (MABE)

Coordenação Nacional de Articulação das Comunidades Negras Rurais Quilombolas – CONAQ.

Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terras do Maranhão – MST.

Justiça Global – JG

Justiça nos Trilhos.

Instituto Socioambiental – Isa.

Coalizão Negra por Direitos.

Uneafro Brasil.

Comitê da América Latina e do Caribe pela Defesa dos Direitos das Mulheres (CLADEM- Brasil).

Centro de Assessoria e Apoio a Iniciativas Sociais – CAIS.

Rede Jubileu Sul.

Diocese de Pinheiro.

FIAN Brasil.

Agencia Tambor.

Jornal Vias de Fato

Movimento Nacional de Direitos Humanos – MNDH Brasil

Comissão de Direitos Humanos de Passo Fundo – CDHPF

Grupo de Estudos, Pesquisa e Debates em Serviço Social (GSERMS) – UFMA

Sindicato dos Trabalhadores do Judiciário Federal e MPU do Maranhão-Sintrajufe/MA

Grupo de Estudos: Desenvolvimento, Modernidade e Meio Ambiente da Universidade Federal do Maranhão  (GEDMMA/UFMA).

União de Moradores do Taim

Comissão Nacional de Fortalecimento das Reservas Extrativistas, e Povos e Comunidades Costeiras e Marinha – CONFREM Maranhão.

Movimento de Defesa da Ilha – São Luís/MA.

Comissão Nacional de Fortalecimento das Reservas Extrativistas e Povos e Comunidades Costeiras e Marinha – CONFREM Brasil.

Articulação para o Monitoramento dos Direitos Humanos no Brasil.

Ong Arte-Mojó.

Maria Máxima Pires

Horacio Antunes de Sant’Ana Júnior

Maria Eco Lopes de Castro

Central Sindical e Popular CSP CONLUTAS

Partido Socialista dos Trabalhadores Unificado – PSTU

Quilombo Urbano

Movimento Mulheres em Luta- MML

Saulo Costa Arcangeli

Quilombo Raça e Classe

Sindicato dos Trabalhadores do Judiciário Federal e MPU do Maranhão-Sintrajufe/MA

Observatório de Protocolos Comunitários de Consulta e Consentimento Livre, Prévio e Informado

Centro de Pesquisa e Extensão em Direito Socioambiental (CEPEDIS)

Centro de Cultura Negra do Maranhão

Associação Agroecológica Tijupá

Grupo de Estudos Rurais e Urbanos

Programa de Pós Graduação em Cartografia Social e Política da Amazônia

MAM

SINTES-MA Sindicato dos Trabalhadores Em Entidades Sindicais, Órgãos Classistas, Entidades Não Governamentais e Partidos Políticos no Estado do Maranhão

Laboratório de Estudos e Pesquisa sobre Espaço Agrário e Campesinato (LEPEC/UFPE)

Centro de Ciências e Saberes Mãe Anica

Conselho Pastoral dos Pescadores

Conselho Estadual da Política de Igualdade  Étnico-Racial-CEIRMA

Movimento Baia Viva do Rio de Janeiro

Grupo de pesquisa Territorialidades e Imaginários na Amazônia-UNIR

União Estadual por Moradia

Centro de Pesquisa e Extensão em Direito Socioambiental (CEPEDIS)

Central de Movimentos Populares

Agentes de Pastoral Negro do Maranhão

Associação Brasileira de Reforma Agrária – ABRA

Federação dos Trabalhadores Rurais Agricultores e Agricultoras do Estado do Maranhão – FETAEMA

Ocupeacidade – SP

Frente 3 de fevereiro – SP

Ecossistema Tropical – SP

Publication Studio São Paulo

Parquinho Gráfico – SP

Coletivo Madeirista – Porto Velho – RO

Bijari – SP

Casadalapa – SP

Política do Impossível – SP

Casa Amarela de Cultura Coletiva – SP

Creative Commes – SP

SP terra indígena

Residência Artística Jardim Aberto – JARA – Porto Alegre

Potira Floricultura – Florianópolis

Irmãs de Notre Dame de Namur

Geledès – Instituto da Mulher Negra

Ação Educativa

Pastoral Afro

Pastorais  Sociais

Amigos da Terra Brasil

Via Campesina

Compartilhe no Facebook
Compartilhe no Twitter
Please reload

Outras postagens

MIQCB coordena trabalhos de reconquista do território na Baixada Maran...

MIQCB lança abaixo assinado contra projeto de lei que incentiva a quei...

Comunidades, com o apoio do MIQCB, coordenam trabalhos de reconquista...

Pela vida das quebradeiras de coco - "Quebradeiras de coco babaçu...

1/3
Please reload

MIQCB

Rua São Raimundo, quadra 42, casa nº 09.
Bairro Jardim Eldorado, São Luís - MA

(98) 3268-3357 | 3221-4163

CEP: 65067-272

Intranet

Siga-nos:
  • Facebook - White Circle